ALTERAÇÕES DIGESTIVAS NO IDOSO DIABÉTICO

LINKS PATROCINADOS

As alterações digestivas, próprias da idade, também devem ser conhecidase têm uma relação direta com a prescrição dietética. Sua compreensão permite uma alimentação mais ajustada

às necessidades nutricionais do idoso, levando-se em conta as possíveis perdas digestivas e absortivas dos nutrientes. Nesta faixa etária, é comum observar-se redução do apetite por alterações do paladar e do olfato, aliadas à diminuição da acuidade visual. Também a diminuição da secreção salivar na cavidade oral, com conseqüente ressecamento da mucosa e menor produção de mucina e ptialina, altera a digestão, já na boca, prejudicando a ingestão de alimentos e, conseqüentemente, aumentando o risco de hipoglicemias, sobretudo naqueles que estão usando insulina ou hipoglicemiantes orais. Estes fatores são agravados por perdas dentárias, também frequentes nesta faixa etária, que acarretam dificuldade mastigatória e a preferência por alimentos de consistência pastosa. Na maior parte das vezes, alimentos deste tipo proporcionam oferta inadequada de nutrientes e tornam a dieta monótona, sendo, portanto, mais um fator de risco para a ocorrência de hipoglicemias. Aqueles indivíduos que utilizam próteses bem ajustadas terão estes problemas minimizados.

Com a diminuição da secreção salivar, o bolo alimentar é menos úmido, transitando mais lentamente pelo esôfago, originando a presença de ondas peristálticas secundárias, acompanhadas de dor no tórax.

No estômago, há atrofia da mucosa gástrica, com conseqüente diminuição na secreção de ácido clorídrico, proporcionando digestão mais lenta e menor absorção de ferro, como, também, menor secreção do fator intrínseco para absorção de cobalamina (vitamina B12). Há também menor motilidade gástrica, havendo retardo no esvaziamento gástrico, sendo, portanto, freqüentes as queixas de plenitude pós-prandial.

A atrofia também ocorre no nível dos intestinos, prejudicando a secreção de enzimas e a absorção de nutrientes, principalmente proteínas e gorduras. Parece que estas interferências absortivas também ocorrem em relação à glicose, porém este fato não está de todo esclarecido.

Há menor secreção de enzimas, e também de muco, que, associados à diminuição da motilidade intestinal, desencadeiam a obstipação intestinal crônica, bastante comum no idoso. A obstipação intestinal, por sua vez, causa doenças intestinais importantes, de maior incidência nesta faixa etária. Além disso, há também o aumento da flatulência, gerando desconforto para estes indivíduos.

Quanto aos anexos, sabemos que há perda da elasticidade parietal da vesícula biliar, criando condições para uma maior freqüência de calculose, por aumentar a concentração de colesterol biliar. Isto agravará ainda mais a absorção de gorduras, principalmente os ácidos graxos saturados, e de vitaminas lipossolúveis.

O fígado tem seu peso e volume diminuídos por redução no número de hepatócitos, o que interferirá na síntese de proteínas mas não na capacidade de armazenamento de glicogênio, vitaminas e minerais. O pâncreas também sofre redução no seu volume, com conseqüente diminuição na produção de amilase, lipase e tripsina. O conhecimento e a compreensão dessas alterações morfológicas são importantes para direcionar a prescrição dietética para o idoso diabético. Porém, o ser humano vive em sociedade e, assim, devem ser considerados, também, os fatores sociais que influenciam na alimentação, como por exemplo: a) perda do poder aquisitivo (bastante comum na aposentadoria); b) dificuldade de locomoção, gerando problemas para a compra e preparo de alimentos; c) dependência física de terceiros; d) violência dos centros urbanos, que também contribui para limitar a aquisição de alimentos; e) fatores psicológicos como solidão, depressão por perdas da capacidade produtiva, de status, do companheiro, da mobilidade e da auto-imagem.

Pelo exposto, reforçamos a necessidade do atendimento individualizado nesta faixa etária, pois cada indivíduo trará uma história de vida diferente, que se refletirá no momento atual determinando comportamentos diversos.

Se você gostou clique no botão . Para ser avisado quando novos conteúdos forem publicados cadastre seu e-mail clicando aqui ou assinar nosso feed.
Veja mais artigos que selecionamos para você sobre este assunto:
Compartilhe o artigo ALTERAÇÕES DIGESTIVAS NO IDOSO DIABÉTICO com seus amigos:

LINKS PATROCINADOS

Faça seus comentários